03 dezembro 2007

Talvez o fogo

Talvez seja a luz, será a luz da noite
que vem caminhando no frio,
uma luz azul que aquece?
Talvez seja o fogo, sim, é o fogo
que diz a verdade...
a pureza da neve está no gelo
e no fogo, no azul do céu
e na alta brancura dos dias
claros.
O fogo trespassa a pele, este fogo
dourado ilumina os corpos
que no escuro se juntam,
o peito nas costas,
o queixo e as mãos nos ombros,
só saliva e sensualidade,
e o fogo na pele dos amantes.

Pela memória dos dias escuros
eu vou beber-te o sangue dos teus braços,
não, vou antes ser o teu sangue, a tua língua
que escorrega pelo fogo, vou antes ser
a respiração dos teus olhos,
a tua boca inteiramente afogada em mim.

Vai, perde-te nas ondas,
eu fico nas sombras,
nas esquinas do vento,
sim, eu fico pelo vento
só mais um pouco,
e talvez, se quiseres, morrer.