13 abril 2011

Ode à noite

da insónia conheço apenas
a distância
e a dor

que é percorrê-la.

não tem rosto, porque a recebemos
no escuro.

não tem mãos, porque apodera-nos
a solidão.

da insónia conheço também
o desespero, a lívida cor
de estar, simplesmente.

simplesmente
existir e viajar pela noite
por um quarto onde descansar.
barato e junto à estrada.

3 comentários:

s disse...

*

s disse...

(com que então Mestre.:P desejo que tudo te corra bem dia 02 de maio :))

Nuno disse...

é...

e parece que andamos um pouco (muito) ligados à noite...